Se você sempre quis saber como mexer numa Estação Total, a Alezi Teodolini agora pode de ajudar de forma remota, com o Curso Online de Estação Total.

O Curso Online de Estação Total foi feito pela Equipe Técnica da Alezi Teodolini, e tem como intuito ajudar aqueles profissionais que ainda não sabem manusear uma estação total ou pessoas que querem entrar na área e precisam se capacitar antes.

O Curso Online de Estação mistura teoria e prática. Assim, o aluno consegue aprender conceitos básicos de Topográfica, além de entender melhor como funciona a Estação Total e como ela é usada em campo.

Para você ter uma idéia, estas são as aulas do Curso Online de Estação Total da Alezi Teodolini:

Aula Inicial:

Introução e Apresentação das Aulas

AULA 1
INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA: CONCEITOS BÁSICOS

AULA 2
REVISÃO MATEMÁTICA E COORDENADAS POLARES E RETANGULARES

AULA 3
RUMO, AZIMUTE E DISTÂNCIAS

AULA 4
ESCALAS

AULA 5
CONCEITOS E EQUIPAMENTOS BÁSICOS PARA UM LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO E COMPONENTES DE UMA ESTAÇÃO TOTAL6

AULA 6
TÉCNICAS DE LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO

AULA 7
PRINCIPAIS FERRAMENTAS DA ESTAÇÃO TOTAL ESTAÇÃO TOTAL RUIDE RTS E EXECUÇÃO DE LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO

AULA 8
LOCAÇÃO

O Curso Online de Estação Total é 100% remoto, ou seja, ele é feito pelo computador.

Após a confirmação de pagamento, o usuário recebe em seu email o Link de Acesso e, a partir daí, ele tem 6 meses para completar as aulas no ritmo dele. Pode ser feito em qualquer horário e pode repetir as aulas quantas vezes quiser.

O conteúdo é bastante prático e otimizando. Para você ter uma idéia, em apenas 2 horas você é capaz de assistir todo o conteúdo, mas é claro que recomenda-se que você veja cada aula com calma, e procure sempre aplicar na prática tudo que aprender ali.

Se você tem interesses em saber mais sobre o Curso Online de Estação Total, clique aqui


Um levantamento topográfico refere-se a um conjunto de métodos e processos onde, seja por meio de medições topográficas (ângulos horizontais, verticais, distâncias horizontais ou inclinadas e diferença de nível) ou por meio do uso de receptores GNSS, realiza-se medições sobre a superfície terrestre com a finalidade de representação gráfica de uma porção do terreno sobre uma superfície plana.

Nesta aplicação espera-se uma precisão posicional ao nível de poucos centímetros para os pontos levantados. Considerando-se a topografia convencional, tais medições podem ser executas utilizando-se de Estações Totais (levantamentos planialtimétricos), níveis (levantamento altimétrico) ou ainda, com menor precisão, de teodolitos (levantamentos planialtimétricos ao nível de decímetros).

Pode-se ainda utilizar um receptor GNSS para esta finalidade. Neste caso, adota-se o uso da fase de batimento da portadora (receptores L1 e/ou L1/L2), pelo método relativo pós-processado, utilizando-se os métodos de posicionamento Estático, Rápido-Estático, Stop and Go e Cinemático.

 

O método Estático é caracterizado por tempos de posicionamento superiores a 20 minutos, enquanto no método rápido-estático os tempos de posicionamento são inferiores a 20 minutos. Nos dois métodos são gerados 1 arquivo de dados brutos para cada ponto levantado, os quais deverão ser processados a partir dos dados brutos coletados no ponto Base, onde nesta deve-se ter um receptor GNSS coletando as observáveis GNSS durante todo o tempo em que o receptor móvel estiver sendo utilizado. Estes dois métodos são mais indicados em áreas em que haja ocorrência significativa de obstruções necessitando, portanto, de um tempo maior de posicionamento para garantir a fixação das ambiguidades (solução fixa).

O método Stop and Go é indicado para o levantamento de áreas livres de obstruções, tornando-se vantajoso devido a possibilidade de redução no tempo de posicionamento. Normalmente adota-se um procedimento de inicialização, que consiste em posicionar sobre um ponto qualquer e deixá-lo rastreando as observáveis por pelo menos 5 minutos (podendo-se permanecer por um tempo maior caso julgue necessário). Em seguida, os demais pontos do levantamento serão observados com um tempo mais curto. Normalmente recomenda-se pelo menos 30 épocas para cada ponto. Nesse contexto, configurando-se os receptores Base e Rover com uma taxa de gravação de 1 segundo, bastariam 30 segundos de posicionamento nos demais pontos do levantamento. Vale salientar que caso haja perda de sinal durante o trajeto entre os pontos, haverá a necessidade de uma nova inicialização de pelo menos 5 minutos. Neste método será gerado apenas um arquivo de dados brutos, o qual deverá ser processado a partir dos dados brutos coletados no ponto Base.

O método cinemático é indicado para o levantamento de feições tais como estradas, córregos, limites de talhões, etc., e assim como o método Stop and Go, convém-se utilizá-lo em áreas livres de obstruções. A coleta das observações neste método será realizada configurando-se o receptor para armazenar os pontos pelo tempo ou pela distância percorrida, uma vez que o receptor móvel estará em movimento durante todo o trajeto.

Nos quatro métodos citados, em sequência ao pós-processamento dos dados, serão obtidas coordenadas com precisões ao nível de poucos centímetros. Convém salientar que o receptor Base não deverá estar a mais que 20 km dos pontos levantados, sendo este o raio de trabalho a ser adotado.

Ainda considerando-se a aplicação em Levantamentos Topográficos, pode-se utilizar das técnicas de posicionamento em tempo real (RTK). Estas se tornam mais produtivas e confiáveis uma vez que durante a etapa de levantamento tem-se as correções em tempo real, permitindo assim acompanhar a solução do vetor (fixo ou flutuante) e a precisão obtida no mesmo instante do levantamento. Nestas condições o tempo de posicionamento será rápido, uma vez que apenas uma época será necessária para registro de cada ponto de interesse.